- Quarta-feira
junho 19, 2019

Centro de pesquisa em direitos humanos

Malásia veta entrada de atletas israelenses em apoio à Palestina

2019/01/11, 12:41


Malásia veta entrada de atletas israelenses em apoio à Palestina

A Malásia diz que vai impedir que atletas israelenses entrem no país para participar de um evento esportivo, como sinal de apoio ao povo palestino e à sua causa.

Nós não os permitiremos (entrar). Se eles comparecerem, isso será interpretado como um crime ", disse o primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, na quinta-feira, proibindo os nadadores israelenses de competirem no Campeonato Mundial de Natação de 2019, que acontecerá de 29 de julho a 4 de agosto. na cidade de Kuching, e que será um evento de qualificação para os Jogos Paraolímpicos de 2020 em Tóquio (Japão).
A Malásia é um firme defensor da independência da Palestina, não mantém relações diplomáticas com o regime de Tel Aviv e não a reconhece como Estado, então seria ilegal emitir vistos para a equipe israelense, Mohamad justificou, citando a mídia local.
"Se eles quiserem retirar os direitos de organização da Malásia do campeonato, tentem ver se podem fazê-lo", acrescentou o chefe do governo da Malásia, referindo-se aos dois meses de esforços do Comitê dos Jogos Paralímpicos de Israel.
O governo de Kuala Lumpur também negou no passado a entrada de equipes israelenses no país para participar de competições internacionais de vela e torneios de tênis.
"A Malásia permanece firme em seu apoio político à luta palestina. A pressão sobre Israel para acabar com as políticas de apartheid deve ser aumentada ", disse Muslim Arab Imran, presidente da Organização Cultural Palestina na Malásia, ao site do Arab News.
O país asiático tem sido durante décadas um dos ferozes críticos da ocupação israelense. Mahathir expressou o apoio de seu país ao Estado Palestino na Assembléia Geral das Nações Unidas (AGNU) no ano passado, condenando Israel por ignorar críticas da comunidade internacional e grupos de direitos humanos pela ocupação da Palestina.
Recentemente, o líder de 93 anos repudiou a decisão do governo australiano de reconhecer o oeste de Al-Quds (Jerusalém) como a capital de Israel. "Jerusalém sempre foi um território palestino e deve permanecer em seu status atual", disse ele.

palavra-chave(Tag)

Crimes de guerra contra os Palestinos،Direitos Humanos،Israel،Malásia،Palestina

Seu feedback

truthngo sinceramente bem-vindo suas sugestões e dar-lhes prioridade e cuidadosamente verificados.

Seu feedback

A sua opinião

Notícias relacionadas

free website counter